terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Felicidades e Renovações

O Blog Atuação Filosófica diante de um ano de muito exercício critico, pensativo, ético (e anti-ético), deixa aqui suas felicitações aos leitores, estudantes, apreciadores, professores, doutores, mestres e academicos. 

Que tenham sempre e muito pela frente leituras ricas, que tragam valioso saber e práticas para o propagar do Saber.

Que a Filosofia deixe o esteriotipo de cansativa e dificil e passe a ser algo bom, benefico, facil e prazeroso. Se descobrir, descobrir o Mundo e o que tem além dele, em mundos imaginarios e fisicos que esperam por nós para mais e mais indagações. 

Que o novo ciclo que se abre, seja de conquistas e grandiosos desafios, muitos obstáculos para que assim possa ser realmente valioso e merecido. 

Boa Sorte! Boas festas e comemorações em familia, com amigos, sozinho mas muito bem acompanhado de sua mente, cheia de pensamentos.

domingo, 13 de dezembro de 2015

SOBRE O FENÔMENO DOS TRABALHOS DE MERDA




Em 1930, John Maynard Keynes previu que até o final do século a tecnologia teria avançado o suficiente, para que países como a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos implementassem a semana de trabalho de 15 horas. Existem muitas razões para acreditar que ele estava certo e no entanto isso não aconteceu. Ao contrário, a tecnologia foi sendo configurada de maneira a nos fazer trabalhar mais. No intuito de alcançar este objetivo, trabalhos efetivamente inúteis tiveram de ser criados. Exércitos de pessoas, na Europa e na América do Norte em particular, passaram vidas inteiras realizando tarefas que eles no fundo acreditavam serem desnecessárias. O dano moral e espiritual deste fato é profundo. É uma marca em nossa alma coletiva. No entanto, quase ninguém fala sobre isso.Por que a utopia prometida por Keynes nunca se materializou? A resposta mais comum hoje é que ele não visualizou o aumento maciço do consumismo.Dada a escolha entre menos horas de trabalho ou mais brinquedos e prazeres, escolhemos os últimos. Isto pode parecer um bom conto moralista, mas um pouco de reflexão nos revela que não é bem assim. Sim, nós temos testemunhado a criação de uma variedade infinita de novos empregos e de novas indústrias desde os anos 20, mas muito poucas não tem a ver com a produção e distribuição de sushi, iPhones ou tênis extravagantes.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

PENSAMENTOS - CÉU ESTRELADO

CÉU ESTRELADO


Vá para longe,
Vá para longe, para o meio da mata,
Para que o meio da mata, torne-se o seu centro,

Vá para longe,
Vá para longe das luzes artificiais da cidade
Que brilham o desespero, angustias,
sentimentos vazios, corrupção...

Longe, vá
Longe, vá se conectar
Longe de tudo e de todos,
Agora estará perto de Tudo e de Você
Se religue

Veja que a Noite é a grande Senhora
Que nos Abraça sempre,
Até nas manhãs, ilusórias manhãs
Que o brilho de uma estrela
nos cega, fazendo acreditar que
existe manhãs!

A Escuridão é a verdade de todos os dias
de todas as noites,
Na Escuridão o grande museu do Tempo
se estende, brilhando distantemente
várias criações,
várias destruições
Aniquilamentos e nascimentos
Repousam sobre nossas cabeças
Mas Longe,
não olhamos mais
Nem apreciamos...
Longe,
não olhamos mais para Nós
não nos apreciamos.

Só observamos as luzes
do desespero,
das angustias
dos sentimentos vazios.

Grande Senhora,
Me curvo diante de Ti,
meus olhos se fecham e Tu
se deita comigo.
Não temo,
não me corrompo,
EU SOU as estrelas
EU SOU a escuridão
Porque temeria?
Não existe nada, além de mim.

Posso Ver Tudo, até na Escuridão.

Por Renis R.


quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Comemos no Bob’s e o que provamos vai te surpreender

“O hipócrita que representa sempre o mesmo papel deixa enfim de ser hipócrita.”

ni.i.lis.mo masculino 
Trata-se de uma tendência filosófica de reduzir todas as crenças a puras convicções do sujeito. O niilismo destitui-se de crenças.
Depois de muito brincar de associar Bob’s ao niilismo lá no Twitter e no Facebook, decidi que era a hora de avaliar a lanchonete e sua capacidade de moldar e/ou elucidar nossa percepção da existência humana. Sairia eu de uma refeição de fast food mais iluminado sobre nossa condição de putrefatos em negação ou sim reenergizado em minha paixão por existir, que é simplesmente um impulso contra o não existir que me faz ignorar a dor que é viver?

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Pensamentos

Sartre tem uma frase que diz: 

"Cada homem é aquilo que ele mesmo fez com aquilo quem fizeram dele." 

Isso para mim é uma das frases mais fundamentais de toda a história da humanidade. Porque, com certeza, desde que nascemos fazem algo de nós; nascemos e nos falam, nos dão uma língua, e nós a recebemos, como esponjas, palavras, palavras, palavras... Quando começamos a falar, dizemos o que? Dizemos as palavras que nos disseram, ou seja, não temos então uma linguagem autenticamente nossa; apenas acreditamos que dominamos uma língua e essa língua nos domina. Porém, algum dia teremos que dizer uma palavra nova, algum dia teremos que dizer uma palavra que seja nossa, e essa será a nossa liberdade. Assim, é verdade a linguagem que nos condiciona, o ambiente político-social que nos condiciona, tudo isso é verdade, que seja; mas, a partir de algum momento, temos que ser nós mesmos responsáveis pela nossa vida, porque somos o que escolhemos ser. Por isso, bem vinda a frase do mestre Jean-Paul, que diz que "cada homem é aquilo que ele mesmo fez com aquilo quem fizeram dele." - José Pablo Feinmann, filósofo argentino

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Programação da 5ª SEMANA DE FILOSOFIA/UFAC - ONTOLOGIA & LINGUAGEM

30/11/2015 - Segunda-Feira: Anfiteatro Garibaldi Carneiro Brasil - 19h
- Trio de Cordas da UFAC
- Cerimônia de Abertura - 19h30min
- Conferência: Ontologia e Linguagem uma abordagem wittgensteiniana
- Conferencista:  Prof. Dr. Raimundo Nonato Portela Filho (UFMA)
Coordenador: Prof. Manoel Coracy Saboia Dias (UFAC)
01/12/2015 - Terça-Feira:Anfiteatro Garibaldi Carneiro Brasil - 19h
- Relatos de experiências dos Bolsistas do PIBIC e PIBEx Filosofia.
Coordenador: Prof. M. Phil. Aristides Moreira Filho (UFAC).

terça-feira, 3 de novembro de 2015

5ª SEMANA DE FILOSOFIA/UFAC - Ontologia & Linguagem




O mundo dos humanos é fruto de uma construção que ocorre através da linguagem. O filósofo alemão, Martin Heidegger, dissera que “a linguagem é a morada do ser”. Então, nós, os considerados humanos, temos que conhecer melhor nossa própria casa que é a linguagem, visto que, quase sempre “tropeçamos” em alguns conceitos, pois não entendemos o contexto em que foram produzidos, porque querer entender o texto sem o contexto é sempre caminhar no “escuro” em busca de hermenêutica. Todavia, a interpretação verdadeira só aparece com veemência quando compreendemos o contexto da fabricação conceitual. Logo, acreditamos que por meio desta V SEMANA DE FILOSOFIA: ONTOLOGIA E LINGUAGEM podemos contribuir com grandes discussões a cerca do Ser e dos discursos que o constroem. Ademais, almejamos possibilitar uma maior compreensão do Homem no cenário social, ético, estético, político, econômico e religioso. Visto que o Homem é sempre atravessado por diversas concepções de homem, linguagens e discursos diferentes.

sábado, 17 de outubro de 2015

A SURDEZ COMO EXEMPLO

Sasaki Kojiro com 14 anos
Este jovem atende pelo nome de Sasaki Kojiro, personagem (também) central ou importante, do mangá VAGABOND. Sasaki Kojiro aparece pela metade do mangá e ganha um arco somente dele, explicando sua chegada ainda bebê a uma ilha onde morava o antigo mestre de esgrima de seu pai durante o Japão feudal. Sasaki é criado e educado pelo mestre de seu pai, já que os pais falecem no meio da viagem. 

O mestre Jisai, já idoso e completamente desligado da vida social e não mais ensinando a Arte da esgrima cria o garoto da "melhor" maneira possivel ou a única que sabe. Mesmo assim, consegue criar o garoto, mas quando Sasaki com 4 anos de idade, encontra pela praia proxima a casa do mestre Jisai um antigo discipulo e este, descobre rapidamente algo peculiar sobre a criança. Itto Ittosai  percebe que o garoto Sasaki é surdo.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Mitos, Simbolos e Virtudes

Adicionar legenda
Estamos mergulhados em um mundo velado, um mundo distorcido por valores distorcidos. Cercados por símbolos, publicidade e muita história. A filosofia faz a leitura de tudo isso, e conversa para esclarecer como podemos ser pessoas boas. Lendo e compreendendo todos estes símbolos que em muito perderam seus significados, de elevação e transcendência intelectual para o homem.

A apresentação Mitos, Simbolos e Virtudes traz um conteúdo para essa releitura do que nos cerca e fazem crer que comprando e engolindo de maneira forçada seremos "melhores".

Acontecerá nos dias 14 e 15 de Outubro/ 2015 no Auditório da Escola José Ribamar Batista, a partir das 14 horas.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Mitologia do maior grupo indígena do Acre, os Huni Kuin é tema de videogame - Os caminhos da jiboia


POR 
Elemento central da mitologia dos Huni Kuin — que constituem a maior população indígena do Acre, com sete mil habitantes —, a jiboia branca, que habita um grande lago, simboliza os encantos e os mistérios da floresta, capaz também de gerar a vida e abrir as portas para a “miração”, em rituais de conhecimento e elevação espiritual. Mais de um século depois dos primeiros contatos do grupo com o “homem branco”, que trouxe violência e devastação quase sufocantes, ela se enrosca com a tecnologia para manter viva a cultura do “povo verdadeiro”, ou Kaxinawá, através de um inusitado formato: o videogame.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

XÁCOMIGO! "Mobilidade Brasileira - Bicicletas" - Entrevista Pedro (Cabelo) Barbosa



Pro: Renis R. 
Xá Comigo! É uma coluna que nasce no blog para conversas sobre mais variados assuntos como, por exemplo: Educação do brasileiro. Educar para aproveitar os benefícios de alguns serviços.
E para inaugurar a coluna o primeiro tema é justamente de uma área que nós dois, eu e o meu companheiro entrevistado gostamos muito – bicicleta. O meu amigo que convidei para essa conversa atende pelo nome de Pedro Barbosa Lima, professor de filosofia no Rio de Janeiro, membro do grupo Bike Anjo/RJ e rpgista nas férias. 

Atuação Filosófica: Pedro essa nossa conversa é longa, começamos devido alguns links no facebook e puxamos para o e-mail, já que estava ficando longa demais nas caixas de comentários. É algo informal e descontraído. Apenas tenha em mente que farei papel de advogado do diabo também em algumas situações.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Surf e Filosofia: A Dobra sobre Si


Beira do mar, lugar comum 
Começo do caminhar 
Pra beira de outro lugar
Beira do mar, todo mar é um 
Começo do caminhar 
Pra dentro do fundo azul 
A água bateu, o vento soprou 
O fogo do sol,
O sal do senhor
Tudo isso vem, tudo isso vai
Pro mesmo lugar
De onde tudo sai

LUGAR COMUM
João Donato - Composição de: João Donato (música) E Gilberto Gil (letra)

Trilha sonora escolhida pela artista Danielle Fonseca em seu filme "A Vaga"  sobre o Surf e a Filosofia. 

domingo, 19 de julho de 2015

ORDO AB CHAO na Filosofia e na Mente



ORDO AB CHAO

Fonte: Lorenzo Lotto, Giovan Francesco Capoferri - De um livro Wikipédia.

" Ordo Ab Chao " - Ordem Vinda do Caos. 
Por Renis. R.

A FILOSOFIA busca a Verdade, a Sabedoria, o Conhecimento de todas as “coisas”. A Razão dada pela filosofia se trata de uma explicação do que É, e não contos, fábulas, achismos e opiniões. Essa explicação busca oferecer Compreensão, Sabedoria e Entendimento e, para obtermos isso precisamos estar livres de preconceitos, vícios e muletas que usamos para nos conduzir pelo mundo. Precisamos fazer auto analises pesadíssimas, ter auto critica, respeito e ser verdadeiro com tudo isso. AH! Sim, e Tempo. Entidade que consome e destrói, renova e nos possibilita realizar objetivos, precisamos saber conversar com Ele para poder “pensar”. “O Tempo faz milagres”, “O Tempo é o melhor remédio”, são expressões populares que podemos usar aqui, mas usar o Tempo precisa entende-lo e entender a Si para obter um bom resultado. E durante os dias as pessoas estão em boa parte de suas rotinas ocupadas, talvez, com coisas mais importantes do que pensar. 

quinta-feira, 16 de julho de 2015

MUTAÇÕES

O problema por conseguinte, é este: para que o homem possa transformar-se radicalmente, fundamentalmente, torna-se necessária uma mutação nas próprias células cerebrais de sua mente. Dizem-nos que devemos mudar, que devemos agir, que devemos transformar nossa mente, nosso coração, tornar-nos uma coisa totalmente diferente. Isso vem sendo pregado há milhares de anos por homens muito sérios, muito ardorosos, e também por charlatães interessados em explorar o povo. Mas, agora, chegamos ao ponto em que não há mais tempo a perder. Compreendei isto por favor. Não dispomos de tempo para efetuar gradualmente tal transformação.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Jovens terminam o ensino médio sem aprender o básico, mostra pesquisa

Yara Aquino – Repórter da Agência Brasil
Pesquisa feita com jovens que terminaram o ensino médio mostra que há uma desconexão entre o que é ensinado nas escolas e os conhecimentos e habilidades exigidos na vida adulta. A pesquisa Projeto de Vida – O Papel da Escola na Vida dos Jovens, da Fundação Lemann, foi apresentada ontem (8) em seminário que debate a base curricular nacional comum para a educação básica.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

A REALIDADE DA SURREALIDADE DAS ALICES ATUAIS - EJORB

“Mas não quero me meter com gente louca", Alice observou.
_ Oh! É inevitável", disse o Gato; somos todos loucos aqui. Eu sou louco. Você é louca.
_Como sabe que sou louca? perguntou Alice.
_Só pode ser, respondeu o Gato, ou não teria vindo parar aqui."
Não sou louco! Minha realidade é apenas diferente da de vocês.

 Alice no País das Maravilhas é classificado como um livro infantil, mas ele não é apenas um livro para crianças. Ele é um clássico mundial que ultrapassou as fronteiras do tempo e, 150 anos depois ainda sonhamos e interpretamos a estória da menina que cai na toca do coelho e vislumbra um mundo novo e cheio de paradigmas, uma menina que não se assusta com o novo e não se curva a tirania, seriamos todos Alice?

segunda-feira, 8 de junho de 2015

SEXO: Na Arte e na Religião

SEXO: Na Arte e na Religião
...e que nada nem ninguém é mais importante do que nós próprios. E não devemos negar-nos nenhum prazer, nenhuma experiência, nenhuma satisfação, desculpando-nos com a moral, a religião ou os costumes.
Marquês de Sade
O sexo é expresso através da arte e dentro da religião desde tempos antigos. O sexo era ritualístico, o que levava o homem e mulher ao orgasmo divino, aos céus, atingir o orgasmo é ser tocado pelo espírito santo, o que cria. O Sexo é o ATO Sexual, a perfeição, onde, dois corpos se tornam UNO.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

A fina ironia de Machado de Assis sobre a Abolição da Escravatura

Na crônica abaixo, Machado de Assis aborda com ironia a questão da abolição da escravatura, que havia ocorrido no dia 13 de maio de 1888. 
Crônica publicada no jornal Gazeta de Notícias, em 19 de maio de 1888. 
Bons dias! 

Eu pertenço a uma família de profetas après coup, post factum, depois do gato morto, ou como melhor nome tenha em holandês. Por isso digo, e juro se necessário fôr, que tôda a história desta lei de 13 de maio estava por mim prevista, tanto que na segunda-feira, antes mesmo dos debates, tratei de alforriar um molecote que tinha, pessoa de seus dezoito anos, mais ou menos. Alforriá-lo era nada; entendi que, perdido por mil, perdido por mil e quinhentos, e dei um jantar.

Cinema das Ideias - Dívida Pública Brasileira: A Soberania na Corda Bamba



A Universidade Federal do Acre retorna, dia 23, as atividades do projeto de extensão CINEMA DAS IDEIAS, com o documentário "Dívida Pública Brasileira: A soberania na corda bamba", de Carlos Pronzato.
Desenvolvido em parceria com o Serviço Social do Comércio (SESC). O projeto conta com o benefício do Programa de Excelência Acadêmica (PROEX) e com o apoio de outros parceiros, como Cineclube Opiniões, Biblioteca Pública e Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour.

sábado, 16 de maio de 2015

Tião Rocha reflete sobre caminhos para uma Pátria Educadora

Educador Tião Rocha tece reflexões a partir do documento preliminar Pátria Educadora e as direciona ao ministro Mangabeira Unger
Prezado Ministro Roberto Mangabeira Unger,
Tomei conhecimento do seu documento preliminar, refletindo e propondo caminhos na direção de um Brasil, Pátria Educadora. Como o Sr. mesmo sugere e estimula, comentários e outras reflexões são bemvindos. E é exatamente a partir desta provocação que me permito dar meus pitados e contribuir. Assim espero.
No dia 1 de maio de 2014, ou seja, há exatamente um ano, eu assisti pela TV o pronunciamento da Presidenta da República Dilma Rousseff. Naquela oportunidade ela falava, entre várias coisas, sobre os avanços e os desafios, o pré-sal e, em dado momento, ela afirmou…”precisamos fazer do Brasil, uma Pátria Educadora”. E continuou sua fala.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

FILOSOFIA EM LINGUA DE SINAIS - DICIONÁRIO DE FILOSOFIA EM LIBRAS




Por: Desireé Antônio

Como representar ‘abstração’ ou ‘metafísica’ com a linguagem de sinais? Uma Pesquisadora da PUC-MG criou um dicionário temático de filosofia em Libras para auxiliar o estudo de deficientes auditivos.



Quem já estudou filosofia sabe que a disciplina lida com conceitos abstratos, muitas vezes complicados de serem compreendidos sem a ajuda de um professor. Essa dificuldade pode ser ainda maior se o estudante tiver algum tipo de deficiência auditiva. Imagine como traduzir, em sala de aula, noções como 'metafísica' ou ‘coisa em si’.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Para Viver Um Grande Amor

Para Viver Um Grande Amor
Vinicius de Moraes

 
Para viver um grande amor, preciso é muita concentração e muito siso, muita seriedade e pouco riso — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, mister é ser um homem de uma só mulher; pois ser de muitas, poxa! é de colher... — não tem nenhum valor.

Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro — seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada — para viver um grande amor.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

A EDUCAÇÃO QUE TEMOS ROUBA DOS JOVENS A CONSCIÊNCIA, O TEMPO E A VIDA

Quando ouvimos este psiquiatra chileno de 75 anos, temos a sensação de estarmos diante de Jean-Jacques Rousseau do nosso tempo. Ele nos conta que esteve bastante adormecido até os anos 60, quando se mudou para os EUA, se tornou discípulo de Fritz Perls, um dos grandes terapeutas do século XX, e passou a integrar a equipe de terapeutas do Instituto Esalen da Califórnia. A partir deste momento passou a ter profundas experiências no mundo terapêutico e espiritual. Entrou em contato com o Sufismo e tornou-se um dos introdutores do Eneagrama no Ocidente. Ele também se aprofundou nos estudos do budismo tibetano e do zen.


domingo, 12 de abril de 2015

Os 150 anos de Alice no País das Maravilhas

Os 150 anos de Alice no País das Maravilhas

Alice no País das Maravilhas não é um conto de fadas, tampouco é uma obra surrealista
Saiba mais sobre obra mais conhecida de Lewis Carroll, de difícil definição e marcada pelo nonsense.
 
Por Julia Teitelroit Martins
Em julho de 2015, Alice no País das Maravilhas completa 150 anos de publicação. Professor de matemática, gago e tímido, o autor Lewis Carroll deixou uma obra de difícil definição, que conquistou um lugar privilegiado no imaginário de várias gerações, com a fantasia e o nonsense como suas principais marcas. Alice, em particular, apesar de um século e meio de idade, continua uma menina. É um símbolo importante de nossos tempos, objeto de inúmeros estudos, adaptações literárias e, mais recentemente, versões para o cinema.

quarta-feira, 11 de março de 2015

Artista De Rua Brasileiro Cria Grafites Carregados De Reflexões


Nos últimos cinco anos, o personagem Gurulino estampou as páginas do caderno de anotações do artista Pedro Sangeon, que trabalha com intervenção urbana desde 2002. Após alguns anos na Europa, onde estudou meditação e yoga, ele fez com que Gurulino se tornasse um ‘mensageiro’, através do graffiti pelas paredes de Brasília.
Com um ar naturalmente zen, Gurulino é acompanhado de frases reflexivas e um tanto quanto poéticas, como “mais amor sem favor”, “coração em paz, boas escolhas” e muitas outras, que mostram um pouco desse universo silencioso e de auto conhecimento através da meditação diária, praticada pelo autor dos desenhos, claro. Ele pratica o chamado “humor contemplativo e espirituoso”.
Segundo Sangeon, a época em que morava em Barcelona e deu uma pausa nos projetos artísticos mudou a sua vida, pois então passou a praticar e se dedicar à yoga, sem pretensão alguma. Foi o divisor de águas para que se tornasse então professor na área e criasse o Gurulino. No lugar de aprender a ser um acumulador de imagens, aprendi a esvaziar-me de imagens. No lugar de criar poéticas, silenciar, e a partir desse lugar silencioso, criar”, contou ao Hypeness.
Não dá para negar que o simpático guruzinho tem algo de diferente, ainda mais ao passar mensagens de calmaria no meio às cidades por onde passa, tão barulhentas, poluídas, cheias de caos e pixações carregadas de revolta – não menos importantes, claro.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

WEB 2.0, REDE DE INFORMAÇÕES, TECNOLOGIA DA MENTE E HYDRA


Nosso cyberuniverso é paralelo, ativo, dinâmico e extremamente veloz, como o Conhecimento É. E, conhecimento é Poder, em todos os sentidos da palavra, e ter poder pode levar e elevar homens a um domínio de grandes áreas. Impérios foram formados assim, conservando informações e destruindo informantes, reduzindo saberes há um circulo pequeno de pessoas. Repúblicas foram modeladas para ser governadas e dirigidas por pessoas que detinham O Saber.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Mestres da Cultura - Tambor de Fulô e seus Cravos



Mas porque começar com pessoas tão novas para os mestres da cultura?
Porque mostra como uma geração nova carrega o Entendimento, buscam os saberes antigos de mestres que desenvolveram e criaram tanta Arte e Conhecimento para toda a Humanidade, mesmo boa parte desconhecendo estes trabalhos. 
São flores em sua maior parte e de sua origem, mas também possuem cravos que trazem mais beleza e força para o publico que assiste este grupo que toca, dança, baila e carrega história e arte em seus cortejos. São jovens, mas fortes, determinados e felizes em cada batida nos tambores de maracatu que ressoam na alma e pelo tempo até o infinito sem jamais parar. Não querem ser chamados de mestres já que se consideram apenas estudantes e apreciadores, e que sim, desejam aprender e tem muito pela frente para quem sabe serem chamados de mestres um dia, e desejam manter viva todas as tradições e trabalhos destes mestres - A condição de mestre é um trabalho de pesquisa para toda uma vida. – Me aponta sua visão de mestre, Geovane Roger.



Cada um tem sua busca, é um coletivo que se reuni em comum para tocar e ensaiar, mas cada integrante tem interesses de pesquisa para seus objetivos particulares bem diversos, um busca mais o teatro, outro mais a musica. Prova disso, foi uma oficina que acabou colocando tudo isso junto em uma linguagem de interesse de outro integrante, Geovane, que busca mais o circo.

MESTRES DA CULTURA




Quem é que todas as manhãs, tardes e noites respira e (sobre)vive através de tanta Arte? Homens e mulheres que dentro de suas simplicidades escrevem, carregam peso, costuram, talham madeira, raspam gesso e isopor, preparam a tinta para o rolo de prensa, separam cores, penas e tecidos para fantasias, que alinham (ainda!) tipos para formar textos imortais no cordel, ensinam a ginga para a criança, adolescentes e adultos dentro da dança e do jogo da capoeira, que através de uma conversa trocam Ideias e Experiências. 

Livro A Filosofia Critica de Kant - Gilles Deleuze

Numa exposição tão sintética quanto rigorosa. Gilles Deleuze põe ao alcance dos leitores aquilo que constitui a «filosofia crítica de Kant».  
Deleuze situa-nos aqui no coração da «revolução copernicana» de Kant: a faculdade de conhecer como legisladora, a submissão necessária do objeto ao sujeito, o homem verdadeiro legislador da Natureza. Neste contexto, é importante o problema da relação entre as três faculdades ativas (imaginação, entendimento, razão), que é analisado nas três grandes Críticas (Crítica da Razão Pura, Crítica da Razão Prática e Crítica da Faculdade de Julgar).

Livro PDF Download

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Abram Alas a Filosofia Desconhecida.





Tu tem coragem de viver de verdade?
Muito estudei e refleti sobre pensadores e sobre seus conceitos, e sim, é muito difícil isso tudo. São vários pensamentos, posturas, éticas, disse e me disse. Neste meu laboratório que é o Mundo, minha vontade é de descobrir como ensinar, fazer compreender e saber sobre a filosofia e, dentro dela A Verdade, A Harmonia e O Amor. Claro entre muitos outros conceitos que sempre foram A Busca dos Homens.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Albert Einstein como filósofo da ciência

Don A. Howard
Universidade de Notre Dame
 
Hoje em dia, o compromisso explícito com a filosofia da ciência quase não tem lugar na preparação dos físicos ou na investigação física. O pouco que os estudantes aprendem sobre temas filosóficos é normalmente aprendido ao acaso, por uma espécie de osmose intelectual. Apanham-se ideias ou opiniões na sala de aulas, no laboratório, e em colaboração com o supervisor. A reflexão cuidada sobre ideias filosóficas é rara. Ainda mais rara é a instrução sistemática. Pior ainda, admitir publicamente um interesse pela filosofia da ciência é frequentemente tratado como um disparate social. Falando com justiça, não são poucos os físicos que pensam filosoficamente. Contudo, as abordagens explicitamente filosóficas da física são a excepção. As coisas não foram sempre assim.

"Independência de juízo"

Em Dezembro de 1944, Robert A. Thornton tinha um emprego novo: ensinar física na Universidade de Porto Rico. Tinha acabado de se formar pela Universidade do Minnesota, na qual tinha escrito a sua tese de doutoramento em "Medição, Formação de Conceitos e Princípios da Simplicidade: Um Estudo em Lógica e Metodologia da Física", sob a orientação de Herbert Feigl, um conhecido filósofo da ciência. Querendo incorporar a filosofia da ciência no seu ensino de introdução à física, Thornton escreveu a Albert Einstein pedindo auxílio para convencer os seus colegas a aceitar essa inovação. Einstein respondeu:
Concordo plenamente consigo quanto à importância e ao valor educativo da metodologia e bem assim da história e da filosofia da ciência. Hoje, muitas pessoas — e mesmo cientistas profissionais — parecem-me alguém que viu milhares de árvores mas nunca uma floresta. Um conhecimento das bases históricas e filosóficas fornece aquele tipo de independência dos preconceitos da sua geração que afectam muitos cientistas. Esta independência criada pelo conhecimento filosófico é — na minha opinião — a marca de distinção entre um mero artesão ou especialista e um verdadeiro pesquisador da verdade.1
Einstein não estava simplesmente a ser educado: ele queria mesmo dizer isto. Andava a dizer a mesma coisa há cerca de 30 anos. Sabia pela sua experiência na vanguarda das revoluções da física no início do século XX que ter cultivado um hábito mental filosófico tinha feito dele um melhor físico.