quinta-feira, 28 de abril de 2016

Loki, a Razão



Loki, a Razão

Por Renis R.




Na Mitologia Nórdica, Loki é um deus, ou um jotun (gigantes que se opõem aos deuses). É o deus do fogo, que traz em si um significado de Saber. Da chama sempre ardendo, parecido com o simbolismo no mito de Prometeu, que leva o fogo dos deuses (Sabedoria) aos homens, e é punido por isso, mas Loki é o Fogo. Mostrando que o Saber não deve ser levado aos homens, mas dado somente há alguns, por isso sua figura ameaçadora, onde seu reino é um lugar obscuro, onde poucos se atrevem a ir, e podemos trazer significados freudianos do inconsciente. Deus da trapaça e da travessura está também relacionado à magia [Vontade], podendo assumir a forma que quiser – a Sabedoria e o Entendimento podem tomar quaisquer forma para o uso ao qual forem direcionados. Ele [Loki] não faz parte dos Aesir (o clã de deuses que residem em Asgard), apesar de viver ali. Portanto, ele por ser a Razão não reside no plano dos deuses, mas sempre se aventurando e obtendo informações valiosas de outros deuses fora dos Aesir. Com isso, Entendimento, Compreensão e Sabedoria ou no caso, Ginnungagap (Entendimento), Brunhilde (Sabedoria), Tyr (Compreensão), não moram com Loki, mas sempre estão juntos. Na mitologia, é narrado que Loki é um meio irmão, ou um adotado por Odin. Isso traz o simbolismo de Loki sendo a razão cognitiva onde está longe dos níveis superiores e mais perfeitos do Pensar, do Logos. Mas através dele e com ele os deuses têm acesso aos planos dos homens e outros níveis dimensionais existentes – estudos metafísicos e empiristas ou racionalistas. É geralmente visto como um grande símbolo da maldade e da trapaça, e, embora suas artimanhas geralmente causem problemas a curto prazo aos deuses, estes frequentemente se beneficiam com elas no fim. Loki, traz em si o significado de astúcia. O malandro se utiliza deste “poder” para trapacear e enganar a justiça ou os que devem ser passados para trás. A razão pode pregar peças lhe trazendo em mente que você precisa de algo, sendo que não precisa, para isso teríamos que “saber o que somos e o que queremos, mas não nos enganarmos com muletas diversas”. Os deuses possuem simbolismos velados, como Harmonia, Vontade, Mente objetiva, Desejo ou Emoção, etc., então estes deuses estão sempre dispostos a serem alvos da Razão. Quem já não passou por um desespero romântico? Onde a mente duela com coração? 

Lobo Fenrir e Odin montado em um filho de Loki
Ele domina um majestoso conhecimento em estratégia, usando suas habilidades para interesses próprios, fabricando e elaborando intrigas e lançar mentiras. Afinal, a Razão pode e o faz em todo Homem escolhas de certo e errado, e muitas vezes o errado passa a ter uso de certo para sobrevivência, malícia, proveito próprio ou comunitário. São conceitos que passam todos pelo Intelecto, para analise rasas ou profundas, mas sempre podendo ser alvo de enganações e trapaças. Quando de maneira vaidosa acreditamos em algum momento saber mais que outra pessoa, ou dominar mais um assunto do que outra e, somos postos a prova que não se trata desta forma que pensamos. Loki é muito respeitado por Thor, tendo ajudado-o a recuperar o seu martelo mágico Mjölnir, que fora roubado por gigantes. Arma que simboliza junto a Thor, a Harmonia entre todos os deuses, que rompe barreiras e defeitos e sempre retorna perfeito - harmonioso. Além do martelo, Loki também obtém alguns dos artefatos mais importantes dos deuses como a lança de Odin, Gungnir, os cabelos de ouro de Sif e o navio mágico de Freyr, o Skidbladnir – todos atributos dos deuses, dos significados mais elevados da própria mente ou intelecto.

As atitudes de Loki mostram sempre o seu lado maléfico e degenerado, mas geralmente ele está a buscar algo de bom, apesar de irem contra os seus objetivos originais. Apesar de suas ações, Loki não é considerado um deus perigoso. Claro! A ignorância pode ser uma benção. E na Razão estão às decisões do homem são e também do homem fanático.  As decisões destes homens são sempre – nos seus pontos de vista – algo bom, mas a Razão livre de vícios malicia e níveis profanos elevam-se e, esclarecida procura atingir o bem, o bom e a felicidade. Além disso, a imagem de Loki representa o "caos necessário" para a busca do progresso. 

A “Ciência” como a entendemos hoje, e não o conceito atribuído e pensado na Grécia antiga vai atrás deste progresso. Prova disso, seria que a ciência é a responsável por apontar as mentiras, sempre colocando como falseada a teoria antecessora. Apontando através destas mentiras algo que se aproxime cada vez mais da verdade. Uma questão que fica é: até onde a ciência hoje está longe do próprio pensar e não caiu em uma armadilha de Loki? Acreditando está vivendo A Verdade através de conceitos, paradigmas e convenções que limitem a ela mesma – a ciência – deixando cada vez mais próxima de uma verdade falseada? A redução através de linguagens e símbolos não poderia ser um retrocesso em vez de progresso? Reduzir a uma pequena parte para explicar o funcionamento de um Todo, sendo que o Todo funciona integrado e harmoniosamente com as partes e não isoladamente? Entender as partes seria uma coisa, dizer como funciona o todo através de uma parte apenas, não seria limitação?

Loki por ser o senhor da mentira e das trapaças é o responsável por trazer ilusões ou dominar este campo. Os outros estão presos a estes poderes ‘dele’ e que, todas as necessidades pensadas, são apenas por Loki sabidas se verdadeiras ou não. Afinal de contas, se ele é o deus da mentira, então somente ele sabe o que é verdadeiro. Já que os outros estão vivendo a mentira criada por ele. Como a história conta e a filosofia mostra tantas mudanças e evoluções, revoluções e progressos em cima de verdades eleitas durante o tempo, Loki ri e anuncia que mentiras são contadas como verdades e o tempo é responsável de carregar uma carga tão antiga de poderes atribuídos a ele [Loki]. Verdades de ontem, são anunciadas como falsas e ultrapassadas hoje, reescritas com palavras novas ou maquiadas, anunciam mentiras novas e bonitas. O simbolismo destes deuses dentro das mitologias trazem significados valiosos ainda hoje. Poderíamos apontar que, a Razão [Loki, neste caso] é responsável por levar a Mente [ Mani ] aos planos mais altos dos deuses, onde temos Balder (Beleza) como o que traz equilíbrio a tudo, Thor como Vontade que move o intelecto. Além destes, há muitos outros seres supernaturais: Fenris(ou Fenrir) o lobo gigantesco, e Jormungard, a serpente do mar que circula o mundo inteiro. Estes dois monstros são descritos como primogênitos de Loki, o deus da mentira, e de um gigante – a razão não tem sexo e pode se aventurar em muitas dimensões. E fácil notar, depois de certo tempo lendo, que na mitologia temos ícones que mostram uma subida pelo nosso intelecto, como também revelam monstros que habitam nossos pensamentos e podem nos levar a lugares sombrios. Hugin e Munin (pensamento e memória), são criaturas mais benevolentes, representadas por dois corvos que mantêm Odin, o deus principal , informado do que está acontecendo na terra; Abrir nossa mente é um passo importante, sair do comodismo ou da preguiça mental. Salvar a princesa presa no alto da torre. Ver sua mente abitolada, castrada em um corpo morto vivo em rotinas vazias no seu dia a dia. Ter acesso a estes deuses e muitos outros é algo fácil em teoria, mas em pratica é um exercício amedrontador e difícil. Explorar mundos, campos e ambientes que, em alguns casos, nos esforçamos para esquecer ou evitarmos para não mudar. Vícios como orgulho, inveja, erros, desculpas esfarrapadas por não cumprir tarefas, deveres, cumprir metas estabelecidas por nós ou por uma equipe ao qual estamos ligados. Perdemos em muitos casos a criatividade de imaginar a possibilidade de os deuses nestas narrativas e parábolas como as bíblicas, se tratarem a todo instante de nosso intelecto, de nós. Figuras e obstáculos foram postos durante esse longo processo histórico de construção do homem para pensarmos, mas fomos indo pela opinião e pelo que os outros pensavam para nós. Nos afastamos de nós mesmos, de nossas Vontades. Muitos decidiram viver pelo medo destas figuras, destes obstáculos que deveriam nos testar e nos amadurecer, nos levando e elevando para um estado mais sóbrio, humilde, honrado, feliz e bondoso. Esse viver trouxe ilusões lokianas, trapaças que nos rodeiam como verdadeiras mentiras ou mentiras verdadeiras, que fazem de nosso mundo particular, um real estado de hipocrisia, por justamente não abrirmos nossa visão para ir além. Vencer demônios pessoais e projetar apenas culpa e esperança para mover-nos. Espero que Loki habite mais e cause mais e mais brincadeiras, mas saibam que ele deseja atingir o bom que há em você, ofereça essa oportunidade