segunda-feira, 8 de junho de 2015

SEXO: Na Arte e na Religião

SEXO: Na Arte e na Religião
...e que nada nem ninguém é mais importante do que nós próprios. E não devemos negar-nos nenhum prazer, nenhuma experiência, nenhuma satisfação, desculpando-nos com a moral, a religião ou os costumes.
Marquês de Sade
O sexo é expresso através da arte e dentro da religião desde tempos antigos. O sexo era ritualístico, o que levava o homem e mulher ao orgasmo divino, aos céus, atingir o orgasmo é ser tocado pelo espírito santo, o que cria. O Sexo é o ATO Sexual, a perfeição, onde, dois corpos se tornam UNO.


Onde ocorre a Morte Bela, todos preconceitos morrem, limites, insegurança e conservadorismo hipócrita. O sexo é Arte. 
 
Não devemos entender a distorção, a venda e comercialização do sexo, a banalização como essa Arte. Isso é a parte pobre do sexo. Onde é vendido para consumo, onde o instinto e desejo vil são alimentados. Filmes pornôs são vendidos e feitos para seu maior mercado que é o homem, onde consome imagens só para o Seu prazer, enquanto que a Mulher é a parte usada para alcançar isso.
Porque é um tabu falar sobre sexo? Falar que gostamos que façam e façamos sexo oral? Porque reprimem tanto as mulheres? Sexo é Belo, Divino. faz todos Conhecerem a Si, Pensarem que Logo Existem e, não duvidarem disso. Onde esse ATO leva e eleva a POTÊNCIA do homem e da mulher ao máximo e, potencialmente a várias repetições.
Antigamente em algumas civilizações e culturas, a mulher é a suprema deusa, onde tem domínio sobre si, e o homem o que busca se elevar.
O Fruto Proibido é dado a Mulher porque ela tem esse domínio sobre SI, sabe fazer o sexo sem os sentimentos vis e baixos (animalescos). Enquanto o homem, não, age no começo pelo impulso e desejo e não pela contemplação (templo=corpo), tocar cada centímetro do corpo da mulher, beijar, apreciar, lamber... O homem leva a queda, é o responsável e não a mulher. O homem se faz sentir vergonha diante de Deus por seus atos e saber que agora está sujo e nu (ereto) diante do Criador.















Renis. R.