quinta-feira, 6 de novembro de 2014

A VERDADE ESTA LÁ FORA, E EU QUERO ACREDITAR!

A VERDADE ESTA LÁ FORA, E EU QUERO ACREDITAR!


O exercício fundamental ou primordial da filosofia é justamente O Pensar. Mas este exercício exige algumas atividades paralelas para a expansão e maior visão sobre o Pensar. Essas atividades se tratam de leitura, estudo, analises, observações e com isso, nossa mente vai ganhando abertura para novos conceitos e/ou romper com conceitos antigos carregados de limites impostos por nós e por outrem sobre nossa pessoa.


A filosofia desde o período antigo – Filosofia Clássica – ate mesmo à contemporânea – Filosofia da Mente – temos o estudo/indagação sobre a nossa existência, o poder a nós atribuído pelo nosso intelecto, qual nosso objetivo aqui? De onde viemos? São questões antigas que permanecem assombrando nossa razão já que através das religiões, ciência e quaisquer outros meios de conhecimento ainda não deram total certeza sobre essas perguntas, não obtemos A Verdade.

A filosofia vem quebrando e juntando todas as formas de pensar e não Do Pensar. Com isso tivemos avanços e outros atrasos, devido há tempos obscuros de imposições políticas e de pensamento. Podemos dizer que tivemos o romper com ídolos, atingimos melhores conhecimentos sobre nós, e com isso, atingimos um estagio mais próximo de planos divinos existentes em nós, criados por nós e compreendidos por nós.

Mas e nos dias de hoje? Temos ídolos? Novos deuses? Novos apóstolos? Temos alguém que comanda toda a Nação da Terra e faz com que os exercícios e atividades sejam de algumas formas atingidas com menores efeitos dentro de nosso Logos, de nossa Razão?

Podemos dizer que a Tevê, deus de quatro letras, com seu filho sagrado A Mídia e seus apóstolos em programas de TV limitem o pensar das pessoas. As crenças das pessoas são construídas e estruturadas pelo o que a Tevê diz, conduz e cria. As pessoas acabam não mais pensando por Si, não buscam mais O Conhecimento e não experimenta e vivenciam mais, e com isso não despertam na Vida. Ficam presas há um circulo de pensamento repetitivo como a Moda, que vai e volta e se fazem acreditar que estão usando, criando e vivendo uma coisa nova.

Mas de tudo que passa na Tevê é ruim, lixo e descartável? A resposta é Não! Temos sim, programas que tentam ainda fazer com que as pessoas experimentem em doses homeopáticas o exercício do pensar, e com isso, ganhem uma visão mais ampla sobre tudo que ocorre a sua volta. E saibamos que não somos detentores de todo o Saber e os que ditam o que deve ou não acontecer.

Personagens Dana Scally e Fox Mulder da série Arquivos X
Um exemplo disto que na década de 90 uma série onde dois agentes do FBI – Bureau Federal Investigation – Dana Scully e Fox Mulder, trabalhavam em um setor onde investigava casos anormais ou que fugiam dos parâmetros rotineiros, e então, este setor era responsável por uma nova abordagem e com isso, quem sabe, as chances de aparecer novos axiomas que possibilitassem novas alternativas para as investigações. O setor dentro do FBI era chamado de Arquivos X, mesmo nome dado a série. Esta série obteve um grande sucesso, e ganhou uma grande legião de fãs.

A série explorou o enredo da possibilidade de seres extra planares e/ou extraterrenos de terem sua estadia em nosso planeta já alguns anos. E com isso, parcerias e influencias com alguns governos ou setores dos governos. Que ofereciam ajuda em troca de conhecimento e tecnologia. Mas esses governos conduziam a Massa para a ignorância ou omitiam informações como p. ex.: A existência destes seres, tecnologias médicas para curas de doenças (e até mesmo o desenvolvimento de outras, testadas em nações só para ver o resultado dos efeitos causados e com isso a possibilidade de uso militar), viagens interestelares e nossa verdadeira história.

Esse conhecimento usado por um grupo seleto e no caso governamental, fazia com que essa influencia fosse usada para criar um verdadeiro poderio militar perfeito e criando assim também uma nação forte, longe de imperfeições e doenças que pudessem dizimar esta população.

A filosofia teve sua estrutura erguida na Razão, então, explicar o mundo supra-sensível é pela razão, explicar a razão é pela razão. Tudo que usamos como medida para tornar algo compreensível para nós é limitada ao que está ao redor de nós. Sempre tomamos isso como medida porque só isso que temos a nossa disposição. Lhe dar com novas estruturas, possibilidades, seres, planos dimensionais, novas leis de ações e reações, limites e situações que fujam de nosso “controle” são lhe dar com o desconhecido. Atiramos primeiro e perguntamos depois. O homem foi “educado” a ter controle sobre tudo, ou a ilusão disso.

Uma série como esta da década de 90, Arquivos X oferece uma nova visão e possibilidade que poderia reescrever toda nossa história. Mas, por não estar o nosso alcance de controle ainda da situação é muito melhor ou mais fácil a ridicularização dessa possibilidade. Este enredo foi explorado por longos anos dentro da série, trazendo sempre para perto de nós a possibilidade de estar lhe dando com seres de inteligência bem elevada, mas com objetivos bem diferentes de nós. Esta ridicularização citada é bem do ser humano, que acredita mais facilmente de que certas coisas não ocorrem com ele ou perto dele e pensando assim, tira a possibilidade de ser real ou possível tal acontecimento.

O homem busca suas origens sempre olhando para cima – o céu - suas orações e cultos religiosos visam atingir a morada dos céus. Na história temos civilizações que admiravam e marcava o céu para prever acontecimentos, registrar a morada dos deuses e até mesmo o mais básico disso tudo que era o registro de estações para plantio e colheitas. Muitas destas civilizações contam em seus registros orais ou na rocha justamente a participação de seres com maior inteligência, sabedoria e armas de efeitos catastróficos e maravilhosos em relação aos homens da Terra. A filosofia antiga começa seus estudos no plano físico e tenta justamente seguir em direção aos planos mais sutis, mas com andar do tempo, ela meio que regride, trazendo toda sua experimentação e explicação somente para o que é palpável. Aprisionando e condicionando o pensar do Homem nele mesmo e no Mundo. Temos contos de Platão, por exemplo, falando de Atlântida, Sólidos de Platão onde exploram um conhecimento dos quatro elementos – fogo, ar, água e terra – para pontos específicos do planeta. Estes elementos teriam influencia em campos magnéticos localizados em pontos determinados, hoje de conhecimento que alguns destes lugares são onde justamente construíram templos famosos e até as próprias pirâmides.

Registros egipcios de seus "deuses"

Antenas de Rádio

Calendário usados por nativos - índios do norte da Amazônia
A Ciência ortodoxia não admite de forma sincera sua participação e interesse justamente nos UFOs, mas o estudo é desde muito tempo feito. Antenas gigantescas de radio, telescópios, missões lunares, espaciais e planetárias na busca por vida inteligente fora do planeta Terra é algo comum vindo dos cientistas. Gastos astronômicos com projetos e bases aeroespaciais foram até o pilar central na disputa de guerras em nosso planeta.

EXISTE MAIS COISA ENTRE O CÉU E A TERRA DO QUE SUA VÃ FILOSOFIA...” como diria William Shakespeare

Contatos registrados por médiuns, abduções ocorridas com pessoas que relatam o que ocorre com elas fora da orbita da Terra, crianças que tem conhecimentos detalhados de orbitas e sistemas solares existentes fora da Via Lactea, pedaços de implantes com metais completamente diferentes encontrados na Terra. Porque isso tudo é descartável pela ciência e pela posição dos militares que se recusam a deixar abertos os acontecimentos ocorridos aqui na Terra? É tão inaceitável a possibilidade de estes seres estarem no meio de nós, participando de nossas vidas e de nossa própria história?

No Brasil temos hoje em dia grupos que dedicam seu tempo para investigar, estudar e catalogar com fotos, vídeos e qualquer outro meio esses eventos ufológicos. Elevados a categoria de pseudociência pela própria Ciência, esses grupos de professores, doutores, mestres, estudantes e amantes do desconhecido, usam da própria ciência para descartarem os charlatães, falsificadores e aproveitadores que usam deste evento – a ufologia – para ganhar dinheiro, fama e em alguns momentos poder. Através de pesquisas, analises em softwares avançadíssimos, podem fazer uma observação melhor em provas feitas por pessoas que tiveram contatos com Óvnis. Com isso não ficam apenas no conto do pescador ou no Eu Acho!. O esforço destes grupos é trazer também algo palpável e explicável para que seja desvelado para a grande massa e ao entendimento todos esses acontecimentos.


Professor Ademar J. Gevaerd no Amazonas com moradores locais -  foto: Google imagens

Professor Ademar J. Gevaerd, editor da Revista UFO- foto: Google Imagens
Temos no Brasil a Revista UFO, que tem como porta voz o professor e jornalista A. J. Gevaerd, que grava vídeos, participa de conferencias desde espaço acadêmico até pesquisadores amadores, para o registro e publicações de forma aberta para a divulgação destes eventos que ocorrem em todas as partes de nosso planeta. Realizaram também um movimento com o nome de UFOs Liberdade de Informação Já!, Diante das forças militares em 2004 – para sensibilizar principalmente os militares da Aeronáutica – exigindo que deixassem abertos os documentos oficiais de pesquisa e registros dos contatos extraterrestres ocorridos em nosso país; desde então, estão disponíveis quase 5000 paginas de documentos que eram secretos. “Poucas pessoas sabem que p.ex., em Porto Alegre na década de 50 existiram muitos casos ufológicos que tiveram um acompanhamento de perto por parte dos militares” - fala o professor. Com isso, o movimento ganhou força e mostrou que, se fosse algo inaceitável, os próprios militares e o Governo Federal não gastariam tanto tempo e dinheiro em algo fútil e fruto de alucinações. Os militares deixaram disponíveis vários documentos abertos, claro que, boa parte dos documentos ainda permanece inacessível ao publico civil. Mesmo assim, é mais fácil pensar que não é verdade ou aceitável esses acontecimentos, porque?


Documentos até então secretos mantidos pela Aeronáutica

Temos tanto a Ciência como as lideranças religiosas que seriam postas em xeque. Tudo o que fomos postos a acreditar como verdade, seria jogada fora ou posto de lado e teríamos que reaprender tudo novamente. O caos poderia ser atingido em todos os cantos, isso tanto nas cidades como na parte mental e intelectual das pessoas. Afinal de contas, pela parte religiosa (não todas), o homem não seria o melhor e maior Obra de um criador celeste. Já que teríamos seres mais evoluídos tecnologicamente e mentalmente.

Na ciência a evolução seria revista, por mais que a teoria da evolução já tenha sido manipulada por um determinado grupo. A ciência teria que rever e recontar nossos ancestrais. Acontecimentos ocorridos em determinadas civilizações, partes do mundo e partes do tempo em nossa história também deveriam ser recontadas. O quanto do que estudamos, aprendemos e sabemos é verdadeiro? O quanto das doenças existentes que causam mortes e devastam nações, já não existe uma cura, e, guardam esse conhecimento somente a alguns? Se existe tanto gasto para missões fora do planeta e para encontrar vida fora do planeta, porque é difícil aceitar a visita de seres em nosso planeta?

A metafísica, os planos divinos e várias teorias filosóficas seriam destruídos e muito dos pensamentos que moldaram principalmente o ocidente, seria revisto.  Uma coisa é comum sobre esses acontecimentos, são todos de seres mais evoluídos do que nós. E suas presenças não são direcionadas por emoções e sentimentos como os nossos, com isso, teríamos que estudar e saber mais sobre conceitos de Bem, Mal, Prazer, Felicidade, Harmonia, Família, Polis, Republica, Política, etc.

A verdade está La fora? Sim, mas eu quero acreditar que, os responsáveis por essa verdade já estão visitando nosso planeta a bastante tempo. Tratamos-nos como superiores e avaliamos seres da Terra inferiores mesmo eles se mantendo dentro de uma harmonia com o planeta e a natureza, coisa essa que os seres humanos quebram pela sua individualidade, política e pensar. Porque seres ditos mais evoluídos por nós mesmos, teriam de pensar e agir da mesma forma que nós?  A filosofia não se limita, não cria fronteiras. Então deixar isso mais aceitável e livre para que estudemos e saibamos trazer mais para perto de nossa realidade é um grande exercício.

Escrito por Renis Ramos.